Skip to content

Em defesa do grande proprietário rural

01/23/2010

Temos um Estado composto por três poderes que se equilibram sob as forças sociais que os influenciam. Somos ainda – e ainda bem – um país agrícola. Só que o país ainda é dominado pela influência de grandes latifundiários e de grileiros que têm, por conta da simpatia da grande mídia, uma considerável força no Congresso e na sociedade, sem considerarmos o judiciário, cujo órgão supremo, o Supremo, nomeado de forma nada democrática, tem também representantes destes grupos.

Todos conhecemos a bancada ruralista no Congresso, formado, entre outros, por Ronaldo Caiado, Kátia Abreu, Ônix Lorenzoni todos do DEM, partido aliado ao PSDB de São Paulo e que tem como candidato o Governador José Serra.  Sob pressão deste grupo, que tem apoio irrestrito da mídia, se dobra até mesmo o presidente da república. Mas existe também a banca ruralista do judiciário.

Quem viajar à Mato Grosso não pode deixar de visitar Diamantino, a 208 quilômetros de Cuiabá. Ali, reina o clã Francisco Ferreira Mendes, poderoso fazendeiro ligado a políticos e a grandes agroindústrias, como por exemplo o Grupo Bertini, condenado pelo pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e socorrido pelos membros do poderoso clã, que também teve ou tem ligações com poderosos políticos como Blairo Maggi. Este município foi governado por Francisco Ferreira Mandes Júnior, o caçula do clã, que tem como membro mais famoso o Ministro Gilmar Mendes o mais importante membro da banca ruralista do Supremo, sempre em defesa de cidadãos respeitados como Daniel Dantas.

E não bastassem as ações contra o MST, Gilmar Mendes defende os fazendeiros também contra os índios, tendo concedido uma liminar em 29/12/2009, suspendendo os efeitos de um decreto presidencial que homologou a demarcação da Terra Indígena Arroio-Korá, que fica no municípios de Paranhos, em Mato Grosso do Sul. A liminar foi concedida por Gilmar Mendes em resposta a mandado de segurança impetrado pelos proprietários da Fazenda Iporã, até a decisão final sobre o assunto. A terra indígena tem 7.175 hectares, dos quais 184 hectares são ocupados pela fazenda. E em 20 de janeiro deste ano, concedeu mais uma liminar suspendendo parcialmente a demarcação de terras indígenas homologadas no fim de dezembro pelo presidente Luiz Inácio da Silva. Mendes suspendeu a parcialmente a demarcação da Terra Indígena Anaro, em Roraima, retirando a Fazenda Topografia da área de posse dos índios.

Como se vê, a defesa dos grandes latifundiários e da agroindústria é ágil e precisa e, ao contrário, quando se trata da defesa de pessoas pertencentes às classes inferiores, geralmente taxadas de baderneiros. Esta é a isenção e a imparcialidade da justiça nas questões agrárias brasileira.

Veja mais em:

Carta Capital

Agência Brasil

Anúncios

From → Sociedade

4 Comentários
  1. Olá Amigo,

    Muito Interessante sua postagem!

    As coisas são assim mesmo, como diz o ditado: quem rouba pouco é ladrão, quem rouba muito é barão!

    O Povo pobre só se lasca, como sempre! Infelizmente é assim em todo o mundo e no Brasil é pior ainda.

    O maior causador do efeito estufa é o pecuarista de gado, como as grandes fazendas do Mato Grosso.

    Grande Abraço;
    Lauro Daniel

  2. LISONN permalink

    Saudações!
    Que Post Fantástico!
    Amigo ERICK, o seu artigo nós precisamos e repassar para diversos jornais e meios de comunicação, dado ao elevado conteúdo e ser uma moldura da verdade.
    Parabéns pelo excelente texto!
    Abraços fraternos,
    LISON.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: