Skip to content

Calamidades públicas – a responsabilidade do governo federal

01/07/2010

Tenho visto críticas sobre a ação do governo federal em sua atuação no caso das calamidades ocorridas no Rio de Janeiro e em São Paulo. Mas como se dá a atuação do Governo Federal nos casos de calamidades e na sua prevenção?

A ação federal no caso de calamidades se dá através do Ministério da Integração Social e de seu braço mais forte, a Defesa Civil, é organizada sob a forma de sistema, denominado de Sistema Nacional de Defesa Civil- SINDEC, composto por vários órgãos, cujo objetivo é reduzir desastre e compreende ações de prevenção, de preparação para emergências e desastres, de resposta aos desastres e de reconstrução, e se dá de forma multissetorial e nos três níveis de governo – federal, estadual e municipal – com ampla participação da comunidade.

Sobre os eventos ocorridos na virada do ano, o ministro Geddel Vieira de Lima, da Integração Nacional, afirmou nesta segunda-feira (4/1) que o governo federal está concentrado, neste primeiro momento, na ajuda emergencial nas áreas atingidas pelas fortes chuvas de fim de ano, com distribuição de comida, agasalhos, cobertores e colchões, mas que é preciso depois combater o mal uso do solo urbano para evitar novas tragédias.

Construções em locais inadequados devem ser revistas, principalmente na região de Angra dos Reis (RJ), uma das mais atingidas, afirmou o ministro Geddel Vieira de Lima, da Integração Nacional,, que recebeu instruções do presidente Lula para dar todo apoio necessário a estados e municípios atingidos. O presidente também conversou com o governador Sérgio Cabral Filho, do Rio de Janeiro, um dos estados que mais sofreu as consequências do temporal e tem recebido informes regulares sobre a situação. A Defesa Civil Nacional está de prontidão para o pronto atendimento.

Como vemos, desde o primeiro momento das tragédias, está presente e atuante a Defesa Civil, que tem cumprido a sua função. Entretanto são necessárias mais ações preventivas e constantes estudos geológicos para evitar novas tragédias.

Anúncios

From → Sociedade

2 Comentários
  1. Nesses casos, a prevenção é essencial. No caso de Angra onde 10% do solo ocupado é plano, requer um planejamento bem melhor e sem politicagem o que eu acho que é bem dificil… com esse governador pelo menos que procura beneficiar os “endinheirados”. Aliás a discriminação é flagrante.
    abs
    Edilza

    • erickfigueiredo permalink

      Não sei bem qual a autonomia da Defesa Civil para bloquear projetos de âmbito municipal ou estadual, mas deveria haver um estudo mais aprofundado sobre estas questões, já que notamos que, realmente, como você bem notou, pecamos pela falta de planejamento e em ações preventivas.
      Obrigado pelo comentário que muito complementou nosso post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: