Skip to content

Organização do Estado Quilombola

11/20/2009

Muito se fala na vida em um quilombo. Eu imaginava tratar-se de um bando de escravos fugidos que se embrenhavam na selva vivendo como guerrilheiros durante um curto período até que fossem mortos ou recapturados. Mas esta não é a verdade. Talvez a versão que ensinaram nas escolas de meu tempo, na qual ainda havia muito preconceito que me fazia acreditar que os indivíduos escravizados eram incapazes de se organizar e levar uma vida humana e digna.

Já se tem notícias de comunidades organizadas pelos escravos fugidos desde 1597 quando, numa carta do Padre Pero Lopes, provincial dos jesuítas em Pernambuco, há referências a grupos de escravos revoltados. Palmares durou em torno de 200 anos e tinha uma organização política com leis e costumes próprios. As leis em Palmares eram muito duras, com pena de morte para ladrões, homicidas, traidores e desertores.

Além de praticarem a caça e a pesca, eles plantavam milho, mandioca, feijão, legumes, fumo, e cana-de-açúcar, que abasteciam a comunidade e eram também comercializados com povoações vizinhas, que viviam em perfeita harmonia com os quilomobolas. As palmeiras que conferiram o nome à comunidade fornecia matéria prima que era utilizada para a confecção de esteiras, vassouras, chapéus, cestos; o coco para fazer óleo; a casca de algumas árvores que serviam para fazer roupas. A produção de Palmares servia para supri-la de outros bens, inclusive as armas com as quais se defendiam das investidas dos latifundiários e ruralistas da época. Não se sabe a língua predominante, mas falavam português e havia liberdade religiosa, com a existência de igrejas católicas. Ali conviveram também índios e brancos perseguidos pela intolerância religiosa dos católicos, que não admitiam outras crenças e que foram se refugiar em Palmares.

A organização deste verdadeiro “estado” contava com inúmeras aldeias. Palmares chegou a contar com nove aldeias: Macaco, Andalaquituche, Subupira, Dambrabanga, Zumbi, Tabocas, Arotirene, Aqualtene e Amaro. A ocupação holandesa dificultava a repressão a Palmares, que se tornou mais acirrada após sua expulsão. Quilombos eram vistos como um mau exemplo aos escravos, incitando-os a fugir e viver de forma livre. Em Palmares existiam também questões políticas, como a que levou Zumbi ao poder, após envenenar Ganga Zumba, o antigo líder que, após ter seus filhos e ele mesmo presos, fez um acordo com os “brancos”. Pedro de Almeida, governador de Pernambuco, temendo uma reorganização futura do quilombo após a prisão, propôs um acordo de paz a Ganga Zumba: ele passaria a obedecer à Coroa Portuguesa. Assim ele seria libertado e a cidade seria preservada. Mas isto não agradou a forças populares mais progressistas que viam com desconfiança tal acordo com o Governador Geral, provocando a revolta que matou Ganga Zumba e o poder passou a Zumbi.

Como vemos, os quilombos eram organizações sociais complexas e completas com todos os ingredientes de um estado. Não estamos tratando de “pobres coitados” sem eira nem beira: estamos falando em pessoas com capacidade administrativa, militar e política que dominou extensas áreas do Brasil e que nos deixou seu legado.

Anúncios

From → Sociedade

6 Comentários
  1. Muito bom seu artigo. Parabéns.
    Edilza

  2. Saudações!
    Amigo Erick,
    Com sinceridade o seu artigo, educativo, e em muito ajuda a desmistificar impressões errôneas que ficaram quando recebemos a época na escola. Gostei muito da sua explanação, e em especial o registro importante que Pedro de Almeida fez na tentativa de conciliação.Confesso que não sabia dessa parte.
    O artigo que merece ser conferido por todos!
    Parabéns pela excelente narrativa!
    Parabéns pelo Post!
    Abraços fraternos,
    LISON.

    • erickfigueiredo permalink

      Obrigado Lisonn pela paciência em ler o texto e pela consideração ao elogiá-lo. Muito obrigado.

  3. Nossa história é repleta de exemplos em vários momentos, e esta data é oportuna para repensar e aprender sobre seu belo artigo. Admirável exemplos como Palmares, Canudos entre outros, há um que me sensibiliza deste a adolescência: Delmiro Gouveia. mas um tanto esquecido ou não conhecido…

    Abraços e bom fim de semana.

    • erickfigueiredo permalink

      É uma boa idéia para pesquisa: Delmiro Gouveia que emprestou seu nome à antiga Pedra e construiu, em uma época remota uma indústria no nordeste, em Alagoas, e contrariou a tese de que no nordeste seria impossível construir um empreendimento rendoso… Vou publicar um estudo sobre ele. Obrigado pela dica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: